Geral Segurança Alimentar

Restaurante Popular do Estado em Imperatriz acelera o ritmo em época de enchentes

São cerca de 800 refeições entregues por di

03/01/2022 12h37 Atualizada há 3 semanas
Por: Carlos Leen
Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, Agemsul, Secretaria de Estado da Assistência Social e Segurança Alimentar estão realizando uma força tarefa para monitorar casos familias em situação de risco.
Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, Agemsul, Secretaria de Estado da Assistência Social e Segurança Alimentar estão realizando uma força tarefa para monitorar casos familias em situação de risco.

O Restaurante Popular sob responsabilidade do Governo do Estado segue cumprindo uma vigorosa agenda de trabalho em Imperatriz. Com a cheia do Rio Tocantins, dezenas de famílias foram desabrigadas e agora são assistidos pelo RP do Estado que não tem poupado esforços para suprir a demanda emergencial. Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, Agemsul, Secretaria de Estado da Assistência Social e Segurança Alimentar estão realizando uma força tarefa para monitorar familias em situação de risco.

Para o coordenador adjunto da AGEMSUL, Marcio Papel, a ação do RP é propositiva e bastante necessária, tendo em visto o grau de insegurança alimentar que setores da população se encontram, ainda mais nestes dias de período chuvoso

São cerca de 800 refeições entregues por dia, sendo 400 no almoço e 400 no jantar. São cerca de 130 famílias – desabrigadas ou desalojadas - pelas chuvas e que são atendidas.

“A temática da segurança alimentar e nutricional é de suma importância para o Governador Flávio Dino e por isso equipamentos como os Restaurantes Populares - com comida saudável, limpa e justa – foram bastante implementados. No Maranhão são cerca de 64 RP’s em funcionamento.” Afirma Marcio Papel

O relatório "Insegurança Alimentar e Covid-19 no Brasil", publicado no começo do ano pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), mostrou que 43,4 milhões de pessoas não tinham alimentos em quantidade suficiente e 19 milhões de brasileiros enfrentaram a fome durante a pandemia.

A insegurança alimentar se caracteriza pela falta de acesso e disponibilidade das pessoas aos alimentos em quantidade suficiente para a sobrevivência.

A fome ganhou rosto nos últimos meses, seja nas cenas protagonizadas por famílias em busca de alimentos Brasil afora, seja buscando comida no lixo ou acompanhando o trajeto do “caminhão do osso” em grandes cidades.

“Em Imperatriz graças ao volume das águas terem subindo muito e desabrigado contingentes inteiros de famílias ribeirinhas, este quadro de insegurança alimentar estaria agravado e muito pior se não fosse as ações do Restaurante Popular do Estado, que não fechou as portas um só dia nestes dias de recessos”, afirmou Marcio Papel. 

“A temática da segurança alimentar e nutricional é de suma importância para o Governador Flávio Dino e por isso equipamentos como os Restaurantes Populares - com comida saudável, limpa e justa – foram bastante implementados. No Maranhão são cerca de 64 RP’s em funcionamento.” Finaliza.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.