Política BOLSOLÃO NO MEC

Randolfe entra com pedido de impeachment de Milton Ribeiro no STF

Senador pede à Corte que ministro seja enquadrado por crime de responsabilidade em razão da existência de um gabinete paralelo de pastores no MEC que movimenta recursos e pede propina de acordo com seus interesses pessoais

24/03/2022 15h08 Atualizada há 2 meses
Por: Carlos Leen
A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta quarta-feira (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro.
A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta quarta-feira (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (23), um pedido de impeachment do ministro da Educação, o pastor Milton Ribeiro. O motivo são as revelações de que Ribeiro, com o aval de Jair Bolsonaro (PL), mantém um "gabinete paralelo" no MEC composto por pastores que movimentam recursos públicos de acordo com seus interesses pessoais e que, inclusive, pedem propina para liberar verbas a municípios. 

Em áudio vazado na segunda-feira (21), por exemplo, o ministro revela que o presidente Jair Bolsonaro pediu que os pastores tivesses "prioridade" no manejo de recursos

Já na noite de terça-feira (22), Gilberto Braga (PSDB), prefeito de Luis Domingues (MA), revelou ao jornal Estadão que o pastor Arilton Moura, um dos integrantes deste gabinete de pastores, o pediu propina de 1 quilo de ouro para liberar recursos MEC destinados à construção escolas e creches em sua cidade.  

"A distribuição de recursos públicos afetos à referida pasta ministerial não pode ser feita às escuras, sem a observância dos princípios constitucionais da impessoalidade e da eficiência, buscando beneficiar os amigos do rei. As verbas destinadas à educação não podem ficar na mão de agentes estranhos ao Estado, servindo de moeda de troca para angariar apoio político e ganhos indevidos", escreve Randolfe Rodrigues na peça de impeachment encaminhada ao STF.

O senador detalha na representação as evidências de que há irregularidades nos repasses de recursos do MEC e pede à Corte para que Milton Ribeiro seja enquadrado por crime de responsabilidade, com o consequente impeachment, e que ele seja afastado do cargo imediatamente de forma cautelar para impedir a obstrução das investigações. 

Entre outros pedidos, Randolfe solicita que Jair Bolsonaro preste depoimento, bem como os pastores que compõem o "gabinete paralelo", e ainda que seja realizada busca e apreensão no gabinete de Milton Ribeiro, em sua residência oficial e no Ministério da Educação

PGR pede inquérito contra Ribeiro ao STF 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta quarta-feira (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro

A PGR espera a autorização do STF para começar a investigar o ministro e o suposto suborno que pastores teriam feito contra o prefeito Gilberto Braga (PSDB), de Luis Domingues (MA). Aras quer ouvir Ribeiro, o pastor Gilmar Silva dos Santos, presidente da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), o pastor Arilton Moura, assessor de Assuntos Políticos da CGADB e outros integrantes do MEC.

Gilmar e Arilton são acusados de formar uma espécie de gabinete paralelo no MEC, determinando para onde serão distribuídos recursos da pasta. 

Gravação revelada pela Folha mostra o ministro Milton Ribeiro assumindo que Bolsonaro pediu que o ministério priorizasse os pedidos feitos por Gilmar. "A minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar. [...] Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do Gilmar", disse Ribeiro na conversa vazada.

Fonte: Revista Forum

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.